Aloísio Carvão

Pintor, nascido em Belém, Pará, no ano de 1920. A partir de 1946, dedica-se à pintura, após exercer atividade como ilustrador, escultor e cenógrafo. Em 1949, transfere-se para o Rio de Janeiro. Estuda com Ivan Serpa no Museu de Arte Moderna e freqüenta o curso de especialização para professores de desenho no Ministério da Educação e Cultura. Participa da fundação do Grupo Frente, no Rio de Janeiro, em 1953. Nos anos 1954-55 expõe com o Grupo Frente no Rio de Janeiro. Na virada de 1956-57, participa da I Exposição Nacional de Arte Concreta, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em 1958, expõe individual na Galeria de Arte das Folhas, em São Paulo. A partir de 1959 abandona estruturas formais rigorosas em favor da construção pela cor e de esquemas não geométricos. Aproxima-se dos artistas neoconcretos, expondo com eles na Exposição de Arte Neoconcreta no Rio de Janeiro e em Salvador. Em 1960, participa da mostra Koncrete Kunst em Zurique e da exposição de Arte Neoconcreta em Munique. Atua como artista visitante na Hochschule für Gestaltung, em Ulm.Volta ao Brasil em 1963, tornando-se professor regular do Museu de Arte Moderna no Rio de Janeiro. usa materiais não tradicionais para construir objetos, mantendo o rigor formal.

Em fase posterior a 1976, usa restos de materiais, como tampas de garrafas e embalagens reaproveitadas; para compor suas obras. A partir de 1985, privilegia o uso de cores vibrantes e formas com características menos rigorosas. Realiza individual itinerante em várias capitais européias. Em1991, tem exposição individual no Rio de Janeiro. Participa da Bienal Brasil Século XX. Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Participou da I; IX e XVII Bienais de São Paulo.

Fonte: Aguilar, Nelson (org.).Catálogo Bienal Brasil Século XX. SP, Fundação Bienal, 1994.